Por que optar pela realização de um projeto que debruça sobre a vida e os negócios das pessoas, em que a natureza do serviço é sustentado pela doação de alguns, ao invés do pagamento por uma contratação formal? 


O PLANNER DE FINANÇAS, VIDA E NEGÓCIOS

Para nós ter um comportamento planner é interagirmos buscando alcançar o crescimento do ser humano. 

O termo planner, em português, pode alcançar diversas destinações, desde o treinamento a tutoria utilizando-se de técnicas comportamentais conjugadas com o conhecimento e a experiência profissional na área do orientação emocional, para dar apoio e acompanhamento ao indivíduo nas dificuldades inerentes ao seu crescimento pessoal, sejam elas ligadas aos seus relacionamentos amorosos, as suas amizades, ao seu trato familiar, e também bem as atividades ligadas ao trabalho, sua profissão, seus sonhos, sua carreira.

Diferentemente de um psicólogo, o planner é um técnico que não se preocupa em analisar mentalmente o interior da pessoa, mas sim observar como se comporta o individuo, seu auto estima, força de vontade, numa convivência prática com seus problemas e dificuldades da vida diária, para que vença seus traumas e dificuldades emocionais para alcançar sucesso em sua vida. 

Dessa forma ser um planner é saber ser amigo, conviver com o outro fora de um tempo e da rotina do ambiente de um consultório. 

Essa atividade em países de economia avançada é bastante comum, e aqui uma opção de pessoas de melhor condição financeira e cultural. 

Desde o nosso primeiro atendimento, de maneira amadora, instado por uma amiga psicóloga que nos encaminhava pessoas em busca de aconselhamento profissional, temos tratado dessa questão do saber ouvir e tocar, partindo no mesmo instante para uma solução. 

Essa conduta vêm de um vasto aprendizado e treinamento em análise transacional (AT), agregado a nossa formação em administração de empresas, uma forte passagem por grandes empresas e pelos setores do Estado em que trabalhamos, além de uma capacidade de empreender criativamente e com sucesso por diversas áreas, nos transformando naquele amigo conselheiro provedor de boas ideias. 

São inúmeros os casos de pessoas que ajudamos em suas trajetórias profissional e de vida com nossos toques e ideias criativas. 

Agora, depois de termos amadurecido bastante e já aposentados resolvemos fechar o círculo. Frequentamos um curso de coach, para sistematizar as técnicas que já vinhamos aplicando por prazer como analista comportamental, e sem estar ainda trabalhando profissionalmente na atividade, tendo como foco as pessoas comuns, as que menos tem recursos e tempo para buscar a solução para algum problema. 

Enquanto profissional faltava-nos apenas encontrar a melhor forma de valorizar aquilo que damos e fazemos, sem a obrigação de estabelecer preços por um trabalho que até o momento é dado de graça. 

Não é nosso objetivo ter um salário, viver de cobrar R$ 250,00 por uma consulta, mas sim ter o devido valor do toque, da dica, da informação reconhecido pela generosidade daquele que não quer ser apenas agradecido, pelo que pode parecer a alguns, um simples favor.

Daí a opção por pedir uma colaboração para pagamento de coisas intimamente ligadas com a nossa comunicação com as pessoas, como a recarga dos celulares dos nossos atendimentos via Duo e Whatsapp; a conexão a rede de internet para acessar informações importantes, e o pagamento das assinaturas dos serviços de Streaming que auxiliam em nossos treinamentos. 

E se possível, caso os ganhos sejam infinitamente superiores aos daquele que uma orientação existencial ou profissional proporciona, como os ganhos financeiros no investimento de renda variável, obtidos com as minhas análises de risco político e indicação de oportunidades de mercado, doações em dinheiro serão muito bem aceitas como uma forma de bônus por uma boa performance.

Byra Leite